Pesquise as matérias do JT:

sábado, 18 de novembro de 2017

Entrevista exclusiva do Prefeito Artur Brito ao Jornal O Liberal publicada neste sábado (18)

 Entrevista exclusiva do Prefeito Artur Brito ao Jornal O Liberal publicada neste sábado (18). 

Acompanhe na íntegra a entrevista.


Por que o senhor foi afastado do cargo?

Artur Brito - Fui afastado de maneira injusta, sem direito de defesa. É mais uma etapa do golpe armado contra a democracia e o povo de Tucuruí. A decisão foi baseada no depoimento de um marginal que possui diversos processos criminais, já foi preso por roubo de carro, formação de quadrilha, receptação e mesmo assim, estranhamente, detinha milhões de reais em contratos com a prefeitura. Na minha administração mandei auditar todos esses contratos, detectamos vários erros e determinei o cancelamento dos mesmos. O próprio Ministério Público investigou e pediu a suspensão desses contratos.

E como está o processo do seu retorno ao cargo?

Artur Brito - A decisão do meu afastamento é equivocada. A situação é tão absurda e irregular que o juiz determinou meu afastamento sem ao menos me escutar, investigar ou sequer apurar as acusações levianas feitas por um indivíduo que tinha todo o interesse de me ver fora do cargo. Com isso, ele pode colocar seus cumplices no poder e assim, voltar a roubar a prefeitura. Tanto que o povo já diz que os agiotas voltaram à prefeitura. Quanto ao processo, meu advogado já protocolou o recurso no Tribunal de Justiça do Estado e esta semana já será deferido e voltarei ao cargo. Sendo feita a justiça e a vontade do povo de Tucuruí e de Deus.

E a sua mãe, que está presa acusada da morte de Jones William?

Artur Brito - É mais uma trama desse golpe que busca o meu afastamento da prefeitura. Ela está presa, sem provas, em uma investigação repleta de erros. Para se ter uma ideia ela foi apenas citada por um dos envolvidos, popularmente o “ouvi dizer”. Como pode uma investigação séria se basear nisso para prender uma empresária, trabalhadora que sempre honrou com seus compromissos? Infelizmente minha mãe está pagando o preço de ser a mãe do atual prefeito.
Confio na nossa polícia, na justiça e tenho certeza que em breve chegaremos ao verdadeiro culpado pela morte do Jones e provaremos a inocência da minha mãe.

Quais serão suas próximas ações?

Artur Brito - Tenho absoluta certeza que esta semana já retorno ao cargo que é meu por direito. Tenho compromisso com a população de Tucuruí de fazer o melhor pela nossa cidade. Em apenas três meses à frente da prefeitura consegui colocar em dia toda a folha, pagando até mesmo de maneira antecipada. Implantamos sistema de iluminação de LED, que é mais moderno e representa economia real na conta da prefeitura. Junto com a deputada Eliane Lima conseguimos 12 km de asfalto para os bairros Palmares 1 e 2. Em parceria com o Ministério da Integração, levantamos recursos para a reconstrução de duas pontes do cais, cinco milhões para a reforma do cais e da feira. Fizemos a maior operação tapa-buraco da história de Tucuruí, utilizando mais de 10 km de asfalto de qualidade. Iniciamos a construção de duas creches que irão atender 500 crianças, não deixamos nenhuma obra parar e demos início ao plano de implantação do Distrito Industrial de Tucuruí que irá gerar empregos e receita para a população e beneficiará a prefeitura. Tudo isso sem falar no trabalho interno voltado para uma gestão eficiente que procura a moralização e a seriedade. Sei que tem gente que não aceita isso, mas seguirei de cabeça erguida, tranquilo e com fé em Deus.

Fonte:  Jornal O Liberal

sexta-feira, 17 de novembro de 2017

Justiça: O ACUSADOR ALEXANDRE SIQUEIRA É RÉU EM MUITOS PROCESSOS JUDICIAIS EM TODO O PARÁ - PARTE 3





 Empresário Alexandre Siqieura que acusa o prefeito de Tucuruí é réu em ações do MP e já foi preso por roubo e receptação em Tucuruí e Tomé Açu

Com informações do: 


O homem que se apresentou como denunciante aos promotores de Tucuruí, no dia 8 de novembro, dizendo que foi ameaçado e coagido por secretários municipais de Tucuruí, supostamente a mando do prefeito Artur Brito, na verdade é um velho conhecido da polícia e da justiça.  

O mesmo responde a uma penca de processos, que vão desde a fraudes em licitações, passando por furto, roubo, formação de quadrilha e assalto a mão armada. 

O suposto empresário já foi preso duas vezes pela polícia do Pará (foto acima) e fez fortuna da noite pro dia, sendo a procedência de sua riqueza um mistério. 

Em nota divulgada, a prefeitura de Tucuruí informa que "irá cumprir a determinação da justiça, sendo que o empresário Alexandre Siqueira, na verdade, está tentando se vingar do atual prefeito, que cessou todos os contratos com a empresa do mesmo, contratos estes que lesavam os cofres municipais".



MP denunciou delator por fraude milionária na prefeitura -  Alexandre França Siqueira, recentemente foi denunciado pelo Ministério Público do Pará, sendo que o parquet é categórico em acusa-lo de comandar um esquema de fraude milionária perpetuado contra a prefeitura de Tucuruí, na gestão do prefeito Jones Wiiliam, assassinado em junho deste ano.


De acordo com a Ação do MP, divulgada amplamente nos meios de comunicação do Pará, o prefeito Jones Willian estaria direcionando contratos e licitações para o empresário Alexandre Siqueira. À época, a Justiça bloqueou os bens do gestor e do empresário.



De acordo com as provas colhidas no inquérito civil, o prefeito realizou vários contratos com empresas de Alexandre Siqueira nas áreas de limpeza pública e coleta de lixo hospital, transporte escolar, de obras e construção, fornecimento de combustível, locação de máquinas, prestação de serviços médicos, dentre outros, sob o argumento de que se enquadravam em hipóteses de dispensa de licitação. No entanto, não houve nenhum procedimento administrativo motivando esta dispensa.



Ao analisar a ação proposta pelo MPPA, a juíza titular da 1ª vara da Fazenda Pública de Tucuruí destacou a irregularidade das dispensas de licitações enfatizando que "há inúmeras empresas com reconhecida competência e inquestionável idoneidade que poderiam prestar os mesmos serviços prestados pelas empresas do senhor Alexandre Siqueira, que aparentemente, sem nenhuma explicação ou justificativa, foram escolhidas pelo município de Tucuruí para prestar serviços nas mais diversas áreas (saúde, transporte e limpeza), tudo mediante dispensa de licitação".



A época, a Justiça deferiu parcialmente o pedido do MPPA e determinou que a prefeitura se abstivesse de realizar novos pagamentos e empenhos, seja por meio de emissão de cheques, depósitos, transferências ou pagamentos em espécie, em favor do demandado Alexandre França Siqueira e suas empresas, referentes aos contratos firmados com o Município de Tucuruí.



A juíza também decretou a indisponibilidade dos bens do prefeito Jones William Silva Galvão e do empresário Alexandre França Siqueira, incluindo suas contas bancárias. Durante as investigações, o MPPA constatou que o empresário Alexandre Siqueira é responsável por cinco empresas que possuem contratos com a prefeitura, a A F Siqueira e cia Ltda, Tec Lix Ambiental Ltda, Top Med Eireli EPP, Auto Posto Siqueira Ltda EPP e Siqueira Locações Ltda EPP. Elas oferecem serviços de limpeza pública e coleta de lixo hospital, de transporte escolar, de obras e construção, fornecimento de combustível, locação de máquinas, prestação de serviços médicos, dentre outros.



Os contratos são resultados de dispensas de licitação, aditivados à revelia da lei. O MPPA identificou que a prefeitura beneficiava as empresas de Alexandre Siqueira. Em todos os procedimentos licitatórios em que as empresas do empresário participaram, a gestão municipal criou mecanismos para inabilitar a empresa vencedora e classificar Alexandre Siqueira como o ganhador. Além disso, o prefeito Jones Willian autorizou pagamentos de obras não executadas, de contratos referente ao ano de 2016, para Alexandre Siqueira. Foi constatada ainda a emissão de empenhos sem a existência de contrato registrado junto ao Tribunal de Contas dos Municípios.



Alexandre Siqueira foi preso com carro roubado -  Em janeiro de 2011, O delegado Jivago Ferreira, da Seccional Urbana de Tucuruí, sudeste do Estado, autuou em flagrante, por receptação, Alexandre França Siqueira, juntamente com José Augusto Lucena Cardoso e Frank Ataíde dos Santos. O flagrante foi registrado a época nos jornais O Liberal, Diário do Pará e Amazônia. Os acusados estavam em um posto de gasolina, no bairro Santa Mônica, na noite de quinta-feira (20), quando a Polícia Militar recebeu informações de que eles estariam em um veículo roubado no município de Jacundá.



Após a abordagem, eles foram conduzidos para a Seccional da Polícia Civil, para averiguação. Os autores dos crimes são cinco homens que, armados, renderam o dono do carro, na madrugada do dia 29 de novembro do ano passado.



O diretor da Seccional, delegado Carlos Magalhães, entrou em contato com os proprietários da picape, que compareceram à unidade policial e apresentaram a documentação do veículo, além do boletim de ocorrência policial registrados na Delegacia de Jacundá. Uma das vítimas reconheceu Alexandre França Aguiar como um dos autores do assalto e que, inclusive, foi quem dirigiu o veículo após o roubo.



Através de consulta ao INFOSEG (sistema que reúne informações de segurança pública dos órgãos de fiscalização do Brasil), ficou constatado que Alexandre Siqueira e Frank dos Santos já estiveram presos anteriormente pelos crimes de estelionato e receptação em Tomé-Açu e Castanhal, respectivamente.

 

Nas duas ocasiões, eles foram autuados em flagrante pelos delitos. A Seccional Urbana de Tucuruí encaminhou documentos para a Delegacia de Jacundá, para que o delegado responsável pela unidade possa representar na Justiça pela prisão preventiva de Alexandre e apurar a participação dos comparsas no roubo do veículo. Para o diretor da Seccional, as prisões representam apenas a 'ponta do iceberg' de uma quadrilha maior que rouba carros na região e que será rigorosamente investigada, a fim de que seja completamente desarticulada.

quinta-feira, 16 de novembro de 2017

Estudantes moradores das Ilhas e da Zona Rural terão cursos de ensino médio em suas localidades






O prefeito interino de Tucuruí Bena Navegantes, assinou o convenio que vai beneficiar a principio 300 estudantes



A Prefeitura de Tucuruí assinou nesta quinta-feira (16) o convênio com o Governo do Estado do Pará, que vai melhorar a vida dos moradores das ilhas e localidades da zona rural. Por meio do Sistema Educacional Interativo (SEI). Com a implantação do Sistema, a Prefeitura vai beneficiar 300 estudantes já no primeiro ano de atividade.



Agora os alunos não vão mais ter de que se deslocar para outras localidades ou para a zona urbana o que causava diversos problemas para as famílias.



O prefeito interino de Tucuruí Benedito Couto (PROS), o Bena Navegantes, explica que o Estado vai encaminhar os professores e o município vai dar toda a infraestrutura necessária para que aconteçam as aulas. “Uma grande conquista para o município já que há pelo menos sete anos essas comunidades esperavam. Agora, nove comunidades das ilhas e da zona rural serão atendidas pela modalidade de ensino, beneficiando mais de 300 estudantes que vão poder enfim se formar no ensino médio e em seu local de origem, próximo as suas residências e familiares”, observa o prefeito.



Trata-se de uma mova metodologia do ensino médio regular, já aprovado pelo Conselho Estadual de Educação, que atenderá estudantes de 145 comunidades de 30 municípios, explica Sônia Ferreira, diretora 16ª URE - Unidade Regional de Educação Tucuruí.

Conceição Bugarim, secretária Municipal de Educação, explica que as ações previstas no convênio atenderão as comunidades das Ilhas, Bom Jesus e Tanscametá. “Estamos focando na educação de forma mais abrangente e estamos empenhados em formar esses jovens que vão contribuir com o crescimento e desenvolvimento de Tucuruí”.



O Plano - O Plano de implementação do Ensino Médio Presencial com Mediação Tecnológica, denominado Sistema Educacional Interativo (SEI), está sendo implantado no contexto de estratégias de ampliação da educação básica paraense e é operado pela área de ensino da Seduc.



O SEI foi concebido no âmbito do Programa de Melhoria da Qualidade e Expansão da Cobertura da Educação Básica, idealizado no contexto do Pacto Pela Educação e conta com um investimento de R$ 15,3 milhões só em tecnologia de transmissão, produção de aulas com suporte de mídia e sistemas de recepção pelas salas de aula.




O SEI é uma metodologia de ensino que vai atender alunos concluintes do ensino fundamental em comunidades rurais, onde não há oferta do ensino médio, a demanda é superior ao número de vagas oferecidas e o acesso de professores é difícil.